Pesquisa inovadora realizada no Instituto e Departamento da FMUSP para o Tratamento de Depressão com uso de Estimulação Magnética Transcraniana repetitiva/EMTr e Estimulação Transcraniana por Corrente Contínua/ETCC

A depressão maior é uma condição que aflige cerca de 15% da população e uma das 5 principais causas de incapacidade no mundo. Os efeitos colaterais dos remédios dificultam o aumento adequado da dose. Além disso, cerca de 30% dos pacientes apresentam depressão resistente ao tratamento e, nos pacientes com depressão bipolar, os antidepressivos podem levar a efeitos colaterais importantes, como virada maníaca. Por estas razões, Andre Russowsky Brunoni pesquisador do Instituto e Departamento de Psiquiatria da FMUSP concentrou suas pesquisas em tratamentos não-farmacológicos, como estimulação transcraniana por corrente contínua (ETCC) e estimulação magnética transcraniana repetitiva (EMTr).

Foram realizados três estudos. O primeiro foi um ensaio clínico de não-inferioridade, que contou com um auxílio a pesquisa FAPESP – Jovem Pesquisador, em foi comparado a eficácia da (por extenso) ETCC com o medicamento escitalopram 20 mg/dia e placebo em 245 pacientes com depressão unipolar. Os resultados deste estudo demonstraram superioridade da ETCC em relação ao placebo, porém inferioridade em relação ao escitalopram, ajudando a definir a evidência clínica da ETCC na depressão (Brunoni et al., New Engl J Med, 2017).

O segundo estudo foi um ensaio clínico controlado por placebo em que foi demonstrado a eficácia e segurança da ETCC como tratamento adjuvante na depressão bipolar, em uma amostra de 59 pacientes bipolares em episódio depressivo agudo (Sampaio-Junior B et al, JAMA Psychiatry, 2018).

No terceiro, foi realizado uma metanálise de rede avaliando a eficácia de 8 técnicas de EMTr em ensaios clínicos publicados na literatura, determinando a eficácia e segurança de cada uma das principais modalidades (Brunoni et al., JAMA Psychiatry, 2017) de EMTr.

Para Brunoni os resultados trazem implicação imediata à sociedade, apresentando novas opções terapêuticas para os episódios depressivos agudos. De fato, estes tratamentos se disseminam rapidamente no Brasil e no mundo, pois são citados e foram incorporados em guidelines europeus e norte-americanos recentes como técnicas eficazes para o manejo clínico da depressão.

O pesquisador foi convidado pelo presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria para organizar uma força-tarefa para definir os primeiros guidelines brasileiros sobre o uso destas técnicas na depressão maior.

PRÊMIO IPQ – LUNDBECK 2019 DESTAQUE NA PESQUISA

Candidato: Andre Russowsky Brunoni

O que você pesquisou?

Pesquisei tratamentos que não usam remédios (não-farmacológicos) para a depressão maior. Aqui, destaco três publicações recentes que abordaram este tema.

Por que você realizou esta pesquisa?

A depressão maior é uma condição que aflige cerca de 15% da população e uma das 5 principais causas de incapacidade no mundo. Os efeitos colaterais dos remédios dificultam o aumento adequado da dose. Além disso, cerca de 30% dos pacientes apresentam depressão resistente ao tratamento e, nos pacientes com depressão bipolar, os antidepressivos podem levar a efeitos colaterais importantes, como virada maníaca. Por estas razões, concentro minhas pesquisas em tratamentos não-farmacológicos, como estimulação transcraniana por corrente contínua (ETCC) e estimulação magnética transcraniana repetitiva (EMTr).

Quais são seus principais resultados?

O primeiro estudo foi um ensaio clínico de não-inferioridade, que contou com um auxílio a pesquisa FAPESP – Jovem Pesquisador, em que comparamos a eficácia da ETCC com escitalopram 20 mg/dia e placebo em 245 pacientes com depressão unipolar. Os resultados deste estudo demonstraram superioridade da ETCC em relação ao placebo, porém inferioridade em relação ao escitalopram, ajudando a definir a evidência clínica da ETCC na depressão (Brunoni et al., New Engl J Med, 2017). O segundo estudo foi um ensaio clínico controlado por placebo em que demonstramos a eficácia e segurança da ETCC como tratamento adjuvante na depressão bipolar, em uma amostra de 59 pacientes bipolares em episódio depressivo agudo (Sampaio-Junior B et al, JAMA Psychiatry, 2018). No terceiro estudo, realizamos uma metanálise de rede avaliando a eficácia de 8 técnicas de EMTr em ensaios clínicos publicados na literatura, determinando a eficácia e segurança de cada uma das principais modalidades (Brunoni et al., JAMA Psychiatry, 2017) de EMTr.

Quais os potenciais benefícios de seus resultados para a sociedade?

Todos os artigos são os “mais citados no campo” de acordo com métrica utilizada pela Web of Science. Os resultados trazem implicação imediata à sociedade, apresentando novas opções terapêuticas para os episódios depressivos agudos. De fato, estes tratamentos se disseminam rapidamente no Brasil e no mundo. Os resultados dos estudos citados foram incorporados em guidelines europeus e norte-americanos recentes como técnicas eficazes para o manejo clínico da depressão. No momento, fui convidado pelo presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria para organizar uma força-tarefa para definir os primeiros guidelines brasileiros sobre o uso destas técnicas na depressão maior.