A pesquisa realizada no Instituto de Psiquiatria pela psicóloga Dra. Leorides Duarte-Guerra sob a orientação do Dr. Wang Pang  tendo como principal objetivo detectar transtornos psiquiátricos em pacientes com obesidade grau III  em processo para cirurgia bariátrica.

O desafio de implantar um ambulatório específico para pacientes com obesidade e introduzir novas estratégias clínicas na avaliação do candidato bariátrico tem como meta detectar pacientes com quadros psiquiátricos ainda não diagnosticados que serão avaliados e tratados para poderem se submeter ao procedimento cirúrgico.  A estabilidade dos transtornos existentes poderá fazer com que o paciente prossiga com o acompanhamento tanto no pré como no pós-cirúrgico, trazendo melhor prognóstico a longo prazo.

A definição do grau da obesidade é realizada de acordo com o índice de massa corpórea (IMC), calculado através do peso dividido pela altura ao quadrado e classificada da seguinte maneira:

  • IMC abaixo de 17: muito abaixo do peso (desnutrição)
  • IMC entre 17,00 e 18,49 Kg/ m2: abaixo do peso
  • IMC entre 18,50 e 24,9 Kg/m2: normal
  • IMC entre 25,0 e 29,9 Kg/m2: sobrepeso
  • IMC entre 30,0 e 34,9 Kg/m2: obesidade grau I
  • IMC entre 35,0 e 39,9 Kg/m2: obesidade grau II
  • IMC entre 40,0 Kg/m2 e 49,9 Kg,m2: obesidade grau III (obesidade grave)
  • IMC entre 50,0 Kg,m2 e 50,9 Kg,m2: super obesos
  • IMC maior do que 60,0 Kg,m2: super super obesos (obesidade gravíssima)

Foram avaliados 393 pacientes com obesidade grau III, candidatos  à cirurgia bariátrica. Os pacientes foram triados a partir de um centro universitário de cirurgia bariátrica no Ambulatório de Cirurgia Bariátrica do HC-FMUSP. Clínicos treinados avaliaram os participantes por meio da Entrevista Clínica Estruturada para o DSM-IV Axis I Diagnóstico (SCID-I/P).

A amostra foi composta por 79,1% de mulheres; média de idade 43 anos e média de IMC: 47,8 kg/m².

A frequência de alguns transtornos mentais ao longo da vida foi 80,9% (81,7 homens e 80,7% de mulheres).

A taxa de frequência de transtornos mentais no momento da entrevista foi 57,8% (57,6% homens e 58,5% mulheres).

Os transtornos afetivos foram os mais frequentes (64,9%), sendo os transtornos bipolares e os transtornos depressivos os mais comuns (35,6% e 29,3%).

Entre os entrevistados que apresentaram quaisquer transtornos mentais ao longo da vida, cerca de metade da amostra apresentou três ou mais distúrbios simultâneos.

Homens têm IMC mais elevados, com mais comorbidades e quadro clínico mais grave.

Idade e nível educacional foram associados com a probabilidade de apresentar transtornos mentais no momento da entrevista.

Conclusão: Os transtornos psiquiátricos são condições frequentes e duradouras entre pacientes à procura de cirurgia bariátrica. Transtornos de ansiedade, humor e alimentares são características persistentes e concomitantes em pacientes em busca de tratamento para obesidade. Homens e mulheres com obesidade grave, pré-cirúrgicos foram distribuídos em três perfis de comorbidades e revelaram padrões psicopatológicos análogos. Recomenda-se conduzir avaliação sistemática de pacientes obesos com instrumentos psicométricos padronizados no período pré-cirúrgico para detectar transtornos psiquiátricos, que podem interferir na recuperação e estabilização da qualidade de vida dos pacientes no período pós-operatório. Futuros estudos de seguimento serão necessários para verificar os possíveis fatores preditivos de prognóstico nesta população.

Mais informações: Leorides Severo Duarte Guerra; e-mail: leoduarteguerra@hotmail.com  Psicóloga pesquisadora pós doc – Departamento de Psiquiatria da FMUSP