Segundo o médico Felipe Corchs, coordenador do ambulatório de trauma do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas, embora a quarentena tenha levado a um aumento no consumo de ansiolíticos, houve uma inesperada ocorrência de casos de pacientes que “melhoraram”.

Diagnosticadas com transtorno obsessivo compulsivo (TOC) de higiene, elas acreditariam que sua obsessão com limpeza tem correspondência com as recomendações das autoridades de saúde do mundo todo, que orientam a população não só a lavar as mãos ou desinfetá-las com álcool gel, como a tomar banho e lavar as roupas sempre que chegarem em casa. – Veja mais em https://noticias.uol.com.br/colunas/paulo-sampaio/2020/04/22/quarentena-pode-fazer-transtorno-de-higiene-parecer-adequado-diz-medico.htm