Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

A nutricionista Marcela kotait, do Programa de Transtornos Alimentares do IPq, explica a fome emocional, em matéria do portal R7. 

Fome emocional: entenda o que é e como reconhecer e tratar problema

Ato de comer sem ter fome física não é caracterizado como distúrbio alimentar, mas pode ser um sintoma de transtornos

  • SAÚDE | Carla Canteras, do R7

RESUMINDO A NOTÍCIA

  • Fome emocional está ligada à dificuldade de lidar com emoções, sejam boas ou ruins
  • Não é caracterizada como um transtorno alimentar, mas pode ser sinal da doença
  • Há formas diferentes de desenvolver o sintoma: beliscador, fome noturna e hiperfágico
  • Necessidade de tratamento relaciona-se aos prejuízos que os episódios levam para a pessoa

Se a fome emocional está causando sofrimento, é importante procurar ajuda de especialista

Se a fome emocional está causando sofrimento, é importante procurar ajuda de especialista

FREEPIK

Comer é uma das principais necessidades dos seres humanos. Muitas vezes, a comida é ligada a comemorações, ao afeto, ao conforto e à vida social. Em muitas dessas situações, comer sem fome física é comum, mas não prejudicial à saúde.

Todavia, quando o ato de se alimentar está associado às emoções ou às situações especiais com grande frequência, deixa de ser um prazer para se tornar um problema.

“Nem sempre o comer precisa estar relacionado à fome física; muitas vezes, a celebração, o comer afetivo podem acontecer sem fome física. Mas é diferente do comer emocional, que é a busca por comida como uma maneira de manejar emoções, ou ainda descontar ou, de alguma forma, tentar resolver essas emoções comendo”, explica a coordenadora de nutrição do Ambulatório de Anorexia Nervosa do Programa de Transtornos Alimentares — Ambulim do IPq — HC/FMUSP (Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo), Marcela Kotait.

A fome emocional existe e não é igual em todas as pessoas, conforme orienta a psicóloga e coordenadora do Proata — Nu?cleo de Atenc?a?o aos Transtornos Alimentares da Unifesp (Universidade Federal do Estado de São Paulo), Renata Arnoni. 

“Para cada um a fome emocional vai significar uma coisa diferente. O sintoma pode ser um comer noturno: a pessoa acorda para comer à noite; pode ser um hábito beliscador, em que a pessoa passa o dia todo comendo, beliscando um pouquinho, não senta e faz uma refeição; e pode ser uma hiperfagia: a pessoa come além do que ela precisa para ficar satisfeita.”

O comer impulsionado pelas emoções não é caracterizado como um transtorno alimentar, e sim como um dos sintomas dos indivíduos que sofrem desse problema.

“A compulsão é um transtorno alimentar. Anorexia é um transtorno alimentar, que é quando a pessoa não come e tem uma preocupação com a imagem do corpo, tem medo de engordar, de ganhar peso. E a bulimia nervosa também é um transtorno alimentar, quando a pessoa tem hiperfagia e depois força o vômito”, destaca Renata.

Mas não tem como separar o comer emocional dos transtornos. “Podemos dizer assim: todas as pessoas que têm um transtorno alimentar têm um comer emocional. Talvez sim. Mas toda pessoa que tem um comer emocional tem um transtorno alimentar? Não necessariamente”, complementa a psicóloga.

É possível descobrir se tenho fome emocional?

A descoberta da fome emocional passa necessariamente pela percepção de que cada pessoa tem sobre si mesma e pela frequência com que acontecem os episódios, seja qual for a característica da pessoa: beliscador, hiperfagia ou comer à noite.

A partir dessas análises, buscar ajuda pode ser um passo importante para que não se torne um transtorno alimentar, para o qual o tratamento tende a ser mais difícil.

A nutricionista Marcela ressalta que prestar atenção ao sofrimento que sente também é essencial: “A depender da frequência e da intensidade de episódios do comer emocional e do sofrimento que gera no indivíduo, isso é suficiente para que ele busque ajuda especializada. Um psicólogo e um nutricionista possibilitam que a pessoa organize a alimentação e aprenda a lidar com as emoções sem precisar usar comida nos momentos difíceis”.

“Quando a pessoa começa a entender que ela [a fome emocional] está causando um prejuízo na saúde, na vida social, nas relações pessoais, está na hora de fazer um tratamento”, diz Renata.

O tratamento é feito por uma equipe multidisciplinar, com psiquiatras, psicólogos e nutricionistas. Aprender a lidar com as emoções é o primeiro passo para a cura.

“Precisamos classificar e ajudar a pessoa a entender a diferença entre a fome física e a fome emocional. A fome física, sim, nós precisamos comer comida. Quando pensamos na fome emocional, na verdade precisamos entender essas emoções para lidar com elas antes de ter que recorrer à comida”, explica a nutricionista Marcela.

Além de profissionais, a psicóloga Renata acredita que o apoio de familiares e amigos é relevante para que o tratamento seja bem-sucedido.

“As pessoas que estão em volta são as que mais podem ajudar. O paciente com questões alimentares precisa de apoio, pois dificilmente vai conseguir sozinho. Tem um monte de coisa que favorece essa doença a ficar mais grave. Muitas vezes, é fundamental para o tratamento envolver os familiares, os cuidadores e as pessoas que estão mais próximas.”

Refrigerantes, embutidos e carnes processadas: veja quais alimentos podem deixar o metabolismo lento

https://noticias.r7.com/saude/fome-emocional-entenda-o-que-e-e-como-reconhecer-e-tratar-problema-12092022