Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Filter by Categories
Divulgação Científica
Lançamentos Livros
Notícias
Sem categoria

André Brunoni, do IPq, fala sobre depressão refratária, em matéria da Folha/Uol

SAÚDE MENTAL

Depressão refratária: o que fazer quando antidepressivos não funcionam

Neuromodulação e cetamina podem ser alternativas para a doença

SÃO PAULO

A depressão refratária, também chamada de resistente ou de transtorno depressivo maior, é caracterizada por sintomas crônicos de longo prazo que não respondem adequadamente aos tratamentos padrão, tais como medicação e psicoterapia.

O psiquiatra André Brunoni, professor associado e livre-docente do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP) e coordenador do Serviço de Neuromodulação do IPq (Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da FMUSP) explica que a causa exata da depressão refratária não é conhecida, mas acredita-se que seja uma combinação de fatores biológicos e ambientais, incluindo genética, estilo de vida e estresse.

“É importante notar que a depressão refratária não é um sinal de fraqueza ou falta de força de vontade, mas sim uma indicação de que tratamentos regulares não estão funcionando e outras terapias mais intensivas podem ser necessárias”, afirma.

Os sintomas incluem sentimentos persistentes de tristeza e desesperança, perda do interesse em atividades que antes eram prazerosas, mudanças no apetite ou nos padrões de sono, dificuldade em focalizar ou tomar decisões, fadiga, baixa autoestima e pensamentos de suicídio ou morte.

Os tratamentos para a depressão refratária podem variar dependendo do indivíduo e da gravidade de seus sintomas. Geralmente, eles envolvem uma combinação de medicamentos como antidepressivos, psicoterapia e mudanças de estilo de vida.

Para tratar o transtorno depressivo resistente, os psiquiatras costumam prescrever diferentes tipos de antidepressivos, por um tempo determinado, para que verificar qual tem melhor efeito no paciente.

Em alguns casos, no entanto, tratamentos mais intensivos como a eletroconvulsoretapia (ECT), a neuromodulação e o uso de cetamina podem ser recomendados. 

Neuromodulação

A Estimulação Magnética Transcraniana (EMT), também chamada de neuromodulação, é o principal tratamento médico da classe da neuromodulação não-invasiva. Por meio da EMT, pulsos magnéticos chegam aos neurônios, estimulando ou diminuindo sua atividade, conforme a necessidade de cada caso.

O estímulo ultrapassa a estrutura craniana ate? chegar ao co?rtex cerebral e atingir os neurônios, melhorando os sintomas depressivos.

Esses pulsos de baixa frequência (geralmente a 1 hertz) irão inibir a atividade daquela região do cérebro. Já os de alta frequência (geralmente a 10 hertz) irão estimular o seu funcionamento.

Uma sessão de EMT costuma durar de 15 a 20 minutos. Em consultório, o médico posiciona uma bobina, ligada ao aparelho de EMT, que gera pulsos eletromagnéticos sobre a cabeça do paciente, que fica sentado em uma poltrona.

A pessoa permanece consciente e sente apenas um formigamento leve no local da estimulação. Após a sessão, o paciente pode se levantar e ir embora normalmente, sem qualquer restrição.

“Neuromodulação e terapia eletroconvulsiva são dois tipos diferentes de tratamentos usados para tratar certas condições de saúde mental. Enquanto a ECT é usada para tratar depressão grave, a neuromodulação é uma forma mais nova de tratamento que possui menos efeitos colaterais”, diz Brunoni.

O primeiro aparelho de estimulação magnética surgiu na década de 1970, no Reino Unido, para restabelecer o funcionamento cerebral. A técnica foi aprimorada pelo médico Anthony Baker, nos anos 1980. No Brasil, a EMT foi regulamentada em 2012 pelo CFM (Conselho Federal de Medicina) como procedimento médico para o tratamento de doenças psiquiátricas.

Eletroconvulsoterapia

terapia eletroconvulsiva (ECT), conhecida popularmente como eletrochoque, foi desenvolvida na década de 1930 para tratar transtornos psiquiátricos. A técnica é feita em ambiente hospitalar, com anestesia geral, e induz a uma crise convulsiva por meio de uma descarga elétrica.

Enquanto na eletroconvulsoterapia pode haver perda de memória, na estimulação magnética transcraniana esse aspecto pode ser melhorado, dependendo do ponto estimulado na sessão.

O CFM (Conselho Federal de Medicina) regula o uso da eletroconvulsoterapia desde 2002 no país. O método é indicado em quadros de depressão grave, risco de suicídio iminente, transtorno bipolar, forma catatônica da esquizofrenia, casos em que o paciente não responde às medicações ou não pode ingeri-las.

A ECT é o tratamento mais eficaz e de ação rápida contra a depressão grave. Por apresentar efeitos colaterais, como perda de memória, os benefícios precisam ser avaliados por um psiquiatra.

Cetamina
A cetamina, também chamada de ketamina, é um medicamento de efeito anestésico. A substância foi descoberta na década de 1960, mas apenas nos últimos 20 anos que os médicos começaram a pesquisar a sua aplicação, em baixas doses, no tratamento da depressão resistente.

A sessão de cetamina endovenosa é realizada em ambiente médico controlado e supervisionado. “O paciente é monitorado e monitorizado para garantir a segurança do procedimento. Ele é conectado ao equipamento de infusão intravenosa, que contém a cetamina, e o medicamento é liberado lentamente no organismo durante 40 a 60 minutos”, relata Brunoni.

Após o procedimento, o paciente deve evitar dirigir veículos ou realizar atividades que requeiram concentração.

A escetamina é a forma intranasal da cetamina. “O paciente faz a inalação do medicamento e permanece monitorado por 1 a 2 horas para observar efeitos colaterais. Também deve ser feita em ambiente supervisionado”, diz Brunoni.

O QUE É O CVV
O CVV (Centro de Valorização da Vida) foi fundado em São Paulo, em 1962. É uma associação civil sem fins lucrativos e reconhecida como de Utilidade Pública Federal desde 1973.

O centro presta serviço voluntário e gratuito de apoio emocional e prevenção do suicídio para todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo e anonimato.

A número telefônico 188 começou a funcionar no Rio Grande do Sul e, em setembro de 2017, iniciou sua expansão para todo o Brasil, sendo concluída em junho de 2018, atingindo todos os estados.

Os contatos com o CVV são feitos por telefone pelo número 188 (atendimento 24 horas e sem custo de ligação), pessoalmente (nos 110 postos de atendimento espalhados pelo país) ou pelo site cvv.org.br, por chat e email. Nesses canais, são realizados mais de 3 milhões de atendimentos anuais, por aproximadamente 4.000 voluntários em todo o país.

Além dos atendimentos, o CVV também mantém o Hospital Francisca Julia, que atende pessoas com transtornos mentais e dependência química em São José dos Campos, no interior de São Paulo.

COMO ENTRAR EM CONTATO COM O CVV

Por telefone
Ligue para 188 a qualquer momento. O atendimento é 24 horas, gratuito e garante anonimato e sigilo absoluto

Por email
Acesse cvv.org.br/e-mail, preencha os campos com seu nome, email e mensagem, e um voluntário responderá assim que possível

Por chat
Para iniciar a conversa, acesse cvv.org.br/chat e clique no link indicado. O atendimento acontece de segunda a quinta, das 9h à 1h, às sextas, das 15h às 23h, aos sábados, das 16h à 1h, e aos domingos, das 17h à 1h

Atendimento pessoal
Para conversar pessoalmente com um voluntário do CVV nos postos de atendimento, acesse cvv.org.br/postos-de-atendimento e procure o endereço mais próximo. Também é possível enviar uma carta, que será respondida por um voluntário.

https://www1.folha.uol.com.br/blogs/saude-mental/2023/01/depressao-refrataria-o-que-fazer-quando-antidepressivos-nao-funcionam.shtml